torcida_japao_lixo4_chandyteixeira_95

Incompetências, desonestidades e injustiças aconteceram e acontecerão: a Copa acabou; não os problemas pré-existentes e os advindos com ela.

Entretanto, a Copa foi um sucesso. Nos campos, se faltou técnica, sobrou tática, preparo físico, vontade e gols. Nas arquibancadas, lotações, diversidades e espetáculos. Nas cidades, também.

Dada a quantidade de gente que para cá veio, até foram poucos os contratempos. Interação entre povos, forasteiros de diversas culturas, inclusive de países desenvolvidos, gratos, felizes com a receptividade dos anfitriões brasileiros.

Entre exemplos e oportunidades de evolução, até a vexatória performance da nossa Seleção, consequência de décadas das mesmas doenças que acometem a maioria dos governantes, legisladores etc, quem sabe, resulte em alguma vergonha na cara e iniciativa de recomeço, com ordem e método: é a esperança!

Entre outros exemplos que na Copa nós tivemos, a torcida japonesa deu um espetáculo de educação e civilidade: vários ajudaram a coletar e ensacar o lixo produzido por eles durante a festa nas arquibancadas.

Até nas igrejas raramente nota-se fieis que sejam limpos, organizados e racionais no uso da água, da eletricidade, dos alimentos etc, e na produção menor de lixo e, depois, na sua destinação adequada – embora vivam a cantar, rezar e orar dizendo-se crentes no Deus que a tudo criou, a começar pelo planeta que ajudam a poluir sem a menor cerimônia, enquanto inúmeros apontam os erros ou supostos erros dos outros…

No Japão não existem caminhões para coleta de lixo, lixeiras nas ruas e as cidades são limpíssimas. Por aqui, quanta gente tem a cara de pau de colocar seu lixo na lixeira do vizinho, de qualquer jeito, após o caminhão da coleta de lixo passar e em dias nos quais não passa…

Quase todo brasileiro simplesmente joga seu lixo em qualquer lugar, não o separa, não reclica etc…

Não é para invejar. É para admirar a educação, gentileza, organização e ética dos japoneses. É modelo para brasileiros que ainda não são nada disso, mas, podem vir a ser: é a esperança!…

 

José Carlos de Oliveira

jc@radioplena.com.br – fb.com/oliveirajosecarlos 

Publicado originalmente em 18 de julho de 2014