Pinh16

Todos os coxas brancas e rubro negros deveriam ser paranistas. Os paranistas deveriam sê-lo duplamente, ou, primeiro, paranaístas (*), mas, antes e acima de tudo, paranistas. Também os torcedores do Londrina, Rio Branco, Maringá, Operário e todos os outros clubes do interior deveriam ser, prioritariamente, paranistas. Os dirigentes dos clubes, a crônica esportiva ou não, deveriam ser, intensa e inteligentemente, paranistas.

Quem quiser que seja flamenguista, sãopaulino, palmeirense, corintiano ou gremista. Que seja simpatizante de qualquer outro time de futebol dos outros Estados ou de outros Países. E tenha prazer e orgulho de torcer. Mas seja, em primeiríssimo lugar, paranista.

Quem não gosta de futebol que continue a não gostar, porém, aprenda a ser um convicto paranista.

Que o paranista extrapole e o seja em todas as horas e não somente durante noventa minutos.

O verdadeiro paranista não quebra ônibus, estádio e automóvel só porque seu time perdeu ou ganhou e nem por ter caído para a segundona. Pula, grita e, no afã de comemorar ou protestar, até deixa escapar uns palavrões, talvez, mas, com os braços e mãos que aplaudem e abraçam, nunca joga pedras ou dá tapas nos outros.

O paranista da gema, se perguntarem qual o time do seu coração, não citará orgulhoso um time de fora e, como segunda opção um time daqui (você já viu um gaúcho dizer que torce primeiro por um time de fora do seu Estado e depois, só depois, pelo Inter ou Grêmio, por exemplo?).

O paranista reconhece que jogador ruim maltrata a bola e o torcedor daqui. Mas sabe que qualquer time pode ter jogador ruim ou numa fase ruim. Os craques? Aqui os temos, o paranista sabe disso e aplaude seu talento. O paranista também sabe, mas não se conforma que tem gente que só notará a qualidade deles quando vestirem a camisa de times de fora daqui. O paranista está careca de saber que as vitórias do seu time costumam ser mais suadas, justas e merecidas: é preciso vencer o time adversário, arbitragens nem sempre qualificadas e isentas e, pior, às vezes, até torcida daqui mesmo, contra!

É preciso falar muito do seu time, gritar mais alto a vitória e o paranista o faz, pois sabe que as rádios, jornais e TVs dos outros Estados darão quase sempre menor destaque aos feitos daqui. E a culpa não é dos de lá e sim da mansidão e dispersão dos de cá.

Paranista não se ilude com as dezenas de jogos de futebol que habitam os horários nobres e pobres dos canais de televisão. Sabe que muito jogão, pela ótica de algumas transmissões sensacionalistas e parciais, não passa de mera pelada, e se preocupa por notar que crianças crescem achando que os times de fora são sempre os grandes e melhores e os de cá sempre menores e réles coadjuvantes.

O paranista não tem absolutamente nada contra os times de fora daqui. Ao contrário, presta-lhes respeito e admiração. O paranista tem é tudo a favor do seu time do coração. Reconhece que isto envolve emoção e paixão e, por isso, fica impossível a imparcialidade plena. Justamente por isso, proclama a parcialidade dos paranaenses. Que sejam todos paranistas até sob a água. Respeitem mais o seu time para que outros aprendam a respeitar mais também. Façam propaganda do seu time tanto ou mais do que se faz dos times de fora daqui.

Nenhum time é sempre o melhor e o vitorioso; ou o pior e o derrotado. E o paranaense que é paranista, na sua plenitude, é vitorioso por antecipação, não importa o placar final do jogo do seu time.

Em tempo, antes que torcedores outros que não os do Paraná Clube se revoltem contra este texto: o paranista a que me refiro é aquele que, seja lá qual for o time e esporte do seu coração, ama e defende todos e quaisquer assuntos de interesse do estado do Paraná (**).

Que o paranismo um dia seja bandeira gigante nas mãos de milhões de paranaenses; e que comece pelo futebol profissional, passe pelos outros esportes, pela política, economia, pela música, teatro, literatura, pela educação etc.

Bendito será o tempo em que surgirão e proliferarão os CTPs (***) em todas as cidades do Paraná e em todas as regiões do Brasil e até exterior.

* sugestão tardia para denominar torcedores do Paraná Clube

** mesma situação paira noutros Estados  

*** CTP: Centro de Tradições Paranaenses (e por que não?)

 

José Carlos de Oliveira

jc@radioplena.com.br – fb.com/oliveirajosecarlos 

Publicado originalmente em 20 de novembro de 2001