Inevitável e indispensável

Prezado político, com sua licença, vou brincar de profeta – mas o assunto é sério. Consulte no dicionário as definições – ou definição plena – de política e descubra que todo ser humano faz política. Por isso, ao iniciar dizendo prezado político, dirijo-me também a você. Outubro está aí e as eleições não nos reservarão muitas surpresas, se é que alguma significativa haverá.

Continue reading “Inevitável e indispensável”

A enfermidade das visitas, sorrisos e promessas três a seis meses antes do outubro com eleições!

De uns meses para cá e cada vez mais os vereadores que se elegeram garantindo que são desta região têm aparecido ou se fazem representar até em reuniões comunitárias nas quais não tiveram tempo de comparecer durante os três anos e meio anteriores. Que bom que agora podem aparecer, né?

Como suas agendas surpreendentemente agora lhes permitem, até seus humores melhoram: sorriem mais, cumprimentam mais, tiram fotos, fazem selfies, se colocam a disposição para tudo e homenageiam centenas de eleitores. Fico até preocupado, pois, como ficam tão bonzinhos e não sabem dizer não, aceitam tudo quanto é pedido, prometem tudo quanto é coisa, só para não ter de dizer não e explicar que quase tudo que lhes é pedido e que prometem não tem nada a ver com as atribuições de vereador…

Continue reading “A enfermidade das visitas, sorrisos e promessas três a seis meses antes do outubro com eleições!”

O ‘equivocário’ popular e a política

Entendidos dizem que a mentira é base da política. Da política de partido ou de vida?

Conheci dúzias de criaturas famosas, endinheiradas e poderosas que foram ou são chamadas de excelências, embora não passem de excrescências. As criaturas que transitam ao redor dos eleitos ou pretendentes costumam ser farinha suja do mesmo saco. Eleitos e reeleitos nas últimas eleições, repetitivos e enganosos, depois, mudaram de vinho para a água, ou, dizendo de outro modo, pararam de fazer de conta, num recesso que só será substituído por outra encenação na próxima campanha eleitoral da qual participarão como candidatos; ou, como vassalos e pelegos de outrem. Tudo tão previsível quanto o sal na água do mar. Não por acaso este país ainda não é nação e não desenvolve a contento, não cresce, cresce pouco ou decresce: vítima de governantes e legisladores medíocres, preguiçosos ou desonestos. E não somente deles…

Continue reading “O ‘equivocário’ popular e a política”